“A lua é o imenso relicário do céu, onde Deus todas as noites delicadamente nina a luz do dia.” (Lu Tostes)

terça-feira, 24 de maio de 2011

Do querer proteger

(para Jovi)




   Anda.
   Corre descalço
   por entre
   os campos verdes.

   Lá tu irás encontrar 
   dragões   
   cuspidores
   de flores.

   Eles te levarão,
   pelo ar ligeiro,
   aonde as bruxas 
   não mais te alcancem...

   Até que os sonhos
   possam brincar de roda
   aquecidos 
   pelo sol.
                                              
   Lu Tostes






Imagem: Nicolas Gouny

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Grand jeté


     Baila, linda!
     Não permaneça
     em terra,
     que seus pés,                                                      r .
     asas atrofiadas,                             a
     vivem a esperança             o
     de um dia fazerem   v
                                                                      
      Lu Tostes




       Imagem: www.deviantart.com

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Em tarde ser



  Minh'alma verde
   dança no topo 
   das árvores
   a canção laranja.

   Sabe-se sol
   até que repouse 
   na escuridão
   do silêncio azul.

   Lu Tostes



   Imagem: www.deviantart.com

terça-feira, 17 de maio de 2011

Arrogância



Conflito de volumes
em que a alma,
pequena,
não preenche o tamanho do
EGO.

Lu Tostes


Imagem: www.deviantart.com   

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Esse cheiro de outono

 


   Inspirado 
   pelo sol,
   explode seus mil tons 
   de amarelo,

   no ímpeto 
   enciumado 
   pelas tantas    
   cores da primavera.

   À noite,
   coberto de azul,
   se faz carregar
   pelo vento.

   Invade portas 
   e janelas
   em leve brisa 
   perfumada.

   Como quem acena
   um grito desesperado
   no simples desejo 
   de ser notado.

  Lu Tostes



   Imagem: www.weheartit.com

terça-feira, 10 de maio de 2011

De olhos abertos




   Não são os pés
   e sim os olhos,
   que dão  
   os primeiros passos
   no caminho.

   Antes
   de tudo
   é preciso
   enxergá-lo.

    Lu Tostes

    
   Imagem: www.deviantart.com


quarta-feira, 4 de maio de 2011

A alegria das desesperanças


   (para Lia)



   Não culpe 
   a tempestade, 
   a idade, 
   o excesso de sono, 
   o olhar que não abriga.

   Não se acomode 
   na eterna espera 
   de quem, 
   aguardando um presente do acaso, 
   encolhe a vida. 

   Livre-se das esperanças 
   que, na promessa 
   de tons mais coloridos, 
   empobrecem e congelam 
   o momento. 

   Abra janelas
   para expandir o olhar...
   Flores frescas 
   crescem no jardim.
   Colha afetos!

   Desesperançar 
   só combina 
   com desesperar 
   na rima... 
   no mais, é puro recomeço.


   Lu Tostes










     Imagem: www.weheartit.com